segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Ele voltou! Megaupload ressurge como MEGA, ainda mais seguro e com espaço de 50 GB grátis

Na tarde de sábado (19/01), Kim
Dotcom anunciou o retorno de
seu serviço, que já teve
problemas devido ao alto volume
de acessos.

Maior, melhor, mais rápido, mais
poderoso e mais seguro. É assim
que o MEGA, sucessor do
Megaupload se apresenta.
Exatamente um ano depois de ser
preso por pirataria e ter os
serviços retirados do ar por
ordens judiciais, Kim Dotcom
traz o MEGA com a intenção de
ser o serviço definitivo de
armazenamento nas nuvens.
Como Dotcom já havia anunciado
em seu Twitter, o grande
diferencial do MEGA é o sistema
de criptografia avançada. Esse
recurso bloqueia o conteúdo,
fazendo com que os dados
permaneçam privados. Desta
forma, somente o dono dos
arquivos consegue abri-los e, se
quiser, compartilhar seus
diretórios.
O fim do Copyright?
Isso significa também que a
empresa de Dotcom não pode
saber se os arquivos presentes em
cada conta são fotografias
pessoais, vídeos ou álbuns de
música completos. Além de
proteger Kim de novas ameaças
judiciais, o sistema também gera
uma proteção ao usuário.

Nos termos de uso, o MEGA deixa
claro que pode colaborar com a
justiça caso seja necessário, mas
na prática, tudo o que eles têm
acesso e podem entregar em caso
de processo judicial são os
arquivos criptografados.
Analistas estão apontando o
sistema como um possível
“destruidor de copyright”, já que
a troca de dados pode ser feita
de maneira totalmente privada,
de forma muito mais segura do
que qualquer serviço online
disponível atualmente.
Teoricamente, ninguém
conseguiria impedir alguém de
transferir dados, mesmo aqueles
com direitos autorais.
Espaço de sobra!
Para atrair usuários e retomar a
liderança de mercado, o MEGA
começa com pacotes gratuitos de
nada menos do que 50 GB. O
número impressiona se
comparado com outros serviços
de armazenamento na nuvem,
como o Dropbox e o Google Drive
(que contam com 2 GB e 5 GB,
respectivamente).
Para quem precisa de ainda mais
espaço, o MEGA oferece três tipos
de assinaturas: a Pro 1 custa €10
e oferece 500GB de
armazenamento, a Pro 2 que tem
o custo de €20 por 2TB e a Pro
3, que oferece 4TB por €30
mensais. Os valores também são
bastante competitivos.
Problemas no upload
Você pode acessar o MEGA por
este link e visualizar o painel de
gerenciamento de arquivos assim
que enviar o primeiro documento
para upload. No entanto, o
serviço apresenta alguns
problemas desde o seu
lançamento na tarde de ontem
(19/01).
Kim Dotcom anunciou em seu
Twitter que o serviço havia
ultrapassado a marca de 250 mil
registros em poucos minutos. O
acesso massivo foi o responsável
por derrubar os servidores do
MEGA por alguns instantes.
No início da manhã de domingo
(20/01), os painéis eram
carregados, mas o upload não era
feito mesmo após o tempo de
espera, o que gerou o
descontentamento de diversos
usuários, com reclamações em
redes como o Twitter. Depois
disso, o MEGA voltou a ficar fora
do ar.

Até o momento de publicação
deste artigo, o MEGA não estava
abrindo nem mesmo sua página
inicial, mantendo o usuário em
uma imagem de carregamento.
Fique ligado para
novas informações.
[ATUALIZADO]
Por volta das 12h, a equipe do
Tecmundo conseguiu retomar o
uso do sistema (Fonte da
imagem: Reprodução/MEGA)
Por volta das 12h (horário de
Brasília), os registros do MEGA e
o upload de arquivos voltaram a
todo vapor. Alguns usuários ainda
reclamam de problemas no
recebimento da confirmação de
cadastro, mas com um pouco de
paciência já é possível criar uma
conta e fazer o envio de arquivos.
Ao que tudo indica, os servidores
do MEGA tendem a ficar instáveis
nesses primeiros dias,
principalmente pela concentração
de acessos atraídos pelo
lançamento do serviço. Passado
este primeiro período, a
navegação e transferência de
arquivos devem voltar ao normal.

Confira o review!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Sony encerra produção do Playstation 2

Ao final de treze anos e mais de
150 milhões de unidades
vendidas, o Playstation 2 parou
de ser produzido no Japão.
A Sony emitiu um comunicado
oficial confirmando que não vai
mais abastecer as distribuidoras
japonesas com novos PS2. Com
isso, restam no Japão apenas os
PS2 que estiverem em estoque.
Depois que esses forem vendidos,
não haverá mais modelos novos.
O PS2 foi o videogame caseiro
mais vendido de todos os tempos,
e consolidou o domínio da Sony
sobre o mercado de games até o
surgimento do Wii e do
Nintendo DS .
Mas os fãs do videogame no
Brasil podem ficar sossegados,
aqui ele deverá continuar a ser
produzido por mais algum
tempo.

Page View